📌 À descoberta do Regimento de Artilharia de Costa: a 3ªBataria da Laje…

E continuamos a viajar pelos “canhões da memória” que Portugal esqueceu de preservar…

A 3ª Bateria de Costa da Lage está camuflada pela natureza envolvente entre a estrada Marginal e a linha ferroviária de Cascais. Situada na freguesia Paço de Arcos, no concelho de Oeiras. Foi construída entre 1893 e 1911. Integrava o sistema de fortificações do Campo Entrincheirado de Lisboa (CEL), nomeadamente a frente marítima de defesa de Lisboa e da foz do estuário do rio Tejo. Mais tarde, pertenceu ao conjunto de oito Baterias de Artilharia de Costa do Exército que formavam o extinto Regimento de Artilharia de Costa (Grupo Norte).

Laje_RAC (10)

Um pouco de História…

Situada num local estratégico que domina a entrada da barra do Tejo, a actual Bateria da Laje, assim conhecida pela proximidade à Ribeira da Laje, em 1902, era designada como Bateria Rainha Maria Pia, em memória da viúva do monarca D.Luís I. Projectada pelo Major de Engenharia Firmino José da Costa, tendo a 1 de Março de 1887 começado a ser edificada sob a direcção do Capitão Sarmento de Fonseca, auxiliado pelo tenente Hermano de Oliveira. Apesar de ter sido concluída, em 1889, a Bateria só foi equipada com três bocas de fogo Krupp nos princípios do  século XX.

Laje_RAC (3)

No âmbito do Regimento de Artilharia de Costa (RAC), a 3ª Bataria da Laje estava integrada no Grupo Norte do complexo sistema de fortificações do “Plano Barrow”. Esta bateria de artilharia de costa tem uma imensa frente marítima, desde Algés até à entrada da barra do Tejo, em Oeiras. Ã€ semelhança das 5ª e 8ªBaterias da Raposeira (Trafaria) e de Albarquel (Setúbal) estava equipada com 3 peças de fogo Krupp CTR 15 cm de curto e médio alcance e contribuía para a defesa de proximidade da barra do Tejo. Contava, nas proximidades, com o apoio adicional da 2ªBateria da Parede. Esta instalação militar contava, ainda, com um quartel, casamatas e paióis para alojamento do material e pessoal militar que prestava serviço nesta antiga unidade militar do Exército Português. Perdida a sua função militar, em 1998, as instalações militares foram cedidas à Associação de Comandos que, actualmente, proporciona um espaço verde para actividades de Desporto e Aventura. 

Laje_RAC (6)

 

Ao percorrermos as instalações desta antiga unidade militar, comprovamos a excepcionalidade do espaço edificado e do seu aproveitamento lúdico. Logo à entrada, encontra-se um restaurante que fornece almoços aos visitantes e associados. Aos fins-de-semana, a azáfama é ainda maior com a visita de inúmeros associados e curiosos pelo espaço em redor. Para além de um serviço de restauração, no plano superior da bateria, podemos encontrar um pinhal que oferece diversas valências para recreação de pequenos e graúdos, designadamente uma pista de obstáculos para preparação física e militar (Rappel e Slide), além de um espaço para merendas. Também é possível realizar acampamentos – os escuteiros utilizam o espaço para as suas actividades – com vista para um dos melhores miradouros da zona ribeirinha do estuário do rio Tejo, onde temos o Farol de São Lourenço do Bugio a dominar o cenário envolvente.

Laje_RAC (4)

Neste espaço ecoa a memória dos canhões que o tempo calou, (re)vivem-se tradições militares  e projectam-se vivências de outros tempos. Este Centro de Desporto e de Aventura é um bom exemplo de como conservar a memória do património edificado em Portugal. É de salientar o reconhecimento do papel social, recreativo e cultural, assim como  zelar cuidadosamente e manter em bom estado o património local de Oeiras e bélico do antigo RAC à comunidade civil em geral. Há que manter vivo os elos que nos ligam ao nosso passado e que fortalecem o nosso sentido de pertença e identidade.

Laje_RAC (8)

Fragmentos da História de Portugal…

Sabia que a estátua do coronel Vicente Nicolau Mesquita (1818-1880), militar de origem macaense que foi protagonista da tomada do forte de Passaleão (1849), um confronto entre Chineses e os Portugueses. Esta estátua figurou no Largo do Senado (Macau) entre 1940 e 1966, encontrando-se, desde Fevereiro de 2017, nas instalações da Bateria da Laje, após ter sido doada, em 1986, à Associação de Comandos Governador de Macau, Contra-Almirante Vasco Almeida e Costa. Trata-se de uma estátua em bronze, da autoria de Maximiliano Alves, realizada na vigência do Estado Novo (1933-1974). Se quiser saber mais informações, poderá consultar o seguinte artigo.

Laje_RAC (9)

Nas instalações existem duas chaimites parqueadas (o veículo icónico da Revolução dos Cravos de 25 Abril de 1974) uma das quais a comandada pelo coronel Jaime Neves, Comandante do Regimento de Comandos da Amadora que, a 25 Novembro de 1975, teve um papel crucial nas operações militares na área de Lisboa, no contexto do Processo Revolucionário em Curso (PREC) e do Verão Quente de 1975.

Laje_RAC (2)

E nas proximidades…uma bela supresa!

Depois de conhecer “por dentro” a Bateria da Laje, aproveitamos ainda o resto da tarde para uma caminhada pelo passeio marítimo de Oeiras. Nas proximidades da ribeira da Laje, situada junto à praia de S. Amaro em Oeiras e à estrada da Marginal, deparei-me com a antiga Bateria do Areeiro. Construída entre 1903 e 1908, integrava o antigo Campo Entrincheirado de Lisboa (CEL), nomeadamente os fortes responsáveis pela frente marítima de defesa do Porto de Lisboa.  Mais tarde, entre 1946 a 1953, esteve integrada no Regimento de Artilharia de Costa (RAC). Foi  guarnecida com 4 peças de artilharia de 75 milímetros e 45 calibres de comprimento até 1943. Para quem a visita, é visível a degradação desta fortificação costeira face ao abandono a que foi votada, depois de a Marinha Portuguesa deixar de a utilizar como torre de radar de controle do Porto de Lisboa. A sua arquitectura é muito semelhante à bateria das Alpenas, mas com uma menor escala e dimensão. Mais uma ruína bélica esquecida pelo Homem e entregue ao tempo.

RACOeiras (1)

Como chegar:

As instalações bélicas desta antiga unidade da Artilharia de Costa estão abertas à comunidade civil e aos associados da Associação de Comandos. Para saber mais informações, o leitor poderá contactar para o seguinte e-mail:

  bateriadalaje@gmail.com

Rua D. Nuno Álvares Pereira, Paço d’Arcos – Oeiras GPS- N38º 41´11″ W9º 18´32″.
Para reservas e contactos:
Tel: 218 261 075

Para mais informações:

CALLIXTO, Carlos Pereira, Fortificações Marítimas do Concelho de Oeiras, Oeiras: Câmara Municipal de Oeiras, 1988.

Bateria do Outão e Forte Velho do Outão – SIPA: Sistema Informação para o Património Arquitectónico. [Em linha]. [Consultado em 30 Dez. 2014]. Disponível na  internet URL: <http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=25039 >

Forte-Presídio Naval da Trafaria – SIPA: Sistema Informação para o Património Arquitectónico. [Em linha]. [Consultado em 30 Dez. 2016]. Disponível na  internet URL: <http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=32962 >

COSTA, António José Pereira da – A cidadela de Cascais e a Defesa da Costa Marítima do Guincho ao Estoril. In: “Boletim do AHM”, Lisboa, vol. 63 (1998 – 1999), pgs. 37 – 98.

EMERECIANO, Jaime – A Artilharia na Defesa de Costa em Portugal. Lisboa: Academia Militar, Dissertação Mestrado em Ciências Militares, especialidade de Artilharia, 2011. Disponível na internet URL: http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/7247

MACHADO, M. (22 de Dezembro de 2008). Os Últimos Disparos do “Muro do Atlântico” Português. Obtido em Fevereiro de 2011, de http://www.operacional.pthttp://www.operacional.pt/os-ultimos-disparos-do-%E2%80%9Cmuro-doatlantico%E2%80%9D-portugues/

MASCARENHAS, Catarina de Oliveira Tavares – Da defesa à contemplação da paisagem : intervir no lugar do Forte e da 7ª Bateria do Outão no contexto da Arrábida. – Lisboa : FA, 2014. Tese de Mestrado.

Nota importante [👤]

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03💻  Texto: Rafael Oliveira ðŸŒŽ Fotografia: Oliraf Fotografia ðŸ“·

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

Fotografia✈︎Viagens✈︎Portugal © OLIRAF (2017)

📩 Contact: oliraf89@gmail.com 

 

 

Anúncios

2 thoughts on “📌 À descoberta do Regimento de Artilharia de Costa: a 3ªBataria da Laje…

  1. Rafael Oliveira, entre a Bataria da Lage e a Escola Náutica ainda encontra outra antiga Bataria, aqui: 38.689344, -9.302728. Há cerca de dois anos passei por lá mas não estava com tempo para conversar com os moradores. Antes do RAC ser extinto já lá viviam pessoas que pagavam renda ao RAC: Fica a dica 😉

    1. Muito Obrigado pelas informações. É sempre útil contactar com o património local. Quem sabe numa próxima incursão pelo RAC no concelho de Oeiras, irei averiguar a sua sugestão.
      Bem Haja!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s