Alentejo, Castelos & Fortalezas, Fotografia, História, Paisagem & Natureza, Património Edificado & Monumental, Portugal (Terras), Roteiros Fotográficos, Turismo Cultural, Viagens

ūüďĆ√Ä descoberta de Marv√£o: roteiro fotogr√°fico por uma “sentinela” de pedra com muitas est√≥rias da Hist√≥ria de Portugal…

marvao-2

Canh√Ķes da Mem√≥ria. Em tempos idos, estes canh√Ķes fustigavam o invasor.

O Alentejo √© uma antiqu√≠ssima regi√£o portuguesa valorizada pelo seu patrim√≥nio natural e edificado.¬†Para os amantes do turismo cultural, de natureza e do turismo militar, esta regi√£o portuguesa √© uma boa op√ß√£o de visita que combina actividades de lazer,natureza e culturais com o descanso. Durante o meu roteiro fotogr√°fico pela¬†regi√£o do Alto Alentejo, no sul de¬†Portugal, ¬†tive a oportunidade de visitar a vila de Marv√£o, em pleno Parque Natural da Serra de S√£o Mamede.¬†Desde tempos milenares, os rochedos de Marv√£o eram um local de ref√ļgio para as povoa√ß√Ķes face aos ex√©rcitos invasores. Na¬†√©poca romana, ao que parece, este local j√° detinha uma certa import√Ęncia b√©lica…

Panorama CasteloMarv√£o

Panor√Ęmica Geral da Fortaleza de Marv√£o

A Vila-Fortificada de Marv√£o, localiza-se no Alto Alentejo, num planalto setentrional da serra de S. Mamede e √©¬†limitado geograficamente a sul pelo concelho de Portalegre, a oeste por Castelo de Vide e a este e norte pela fronteira com o Reino de Espanha. Nos censos de 2011, o concelho de Marv√£o contava com cerca de 3500 almas. J√° no serro de Marv√£o, isto √© no ¬†interior do complexo fortificado ainda resistem, ou zelam pelo patrim√≥nio edificado, cerca de 500 habitantes. Um n√ļmero bastante abaixo dos seus tempos √°ureos das lutas fronteiri√ßas durante a¬†Guerra da Restaura√ß√£o (1640-1668).

marvao-10

Vista parcial da Torre de Menagem do Castelo de Marv√£o

Pitoresca vila-fortaleza, situada em pleno interior da Serra de S√£o Mamede, reflete ¬†a adapta√ß√£o do Homem ao meio ambiente durante mil√©nios. A meu ver, Marv√£o conquista de imediato quem a v√™, ¬†no alto de um cabe√ßo montanhoso, desde a estrada da fronteira de Porto Roque. √Č uma sentinela da fronteira, um belo exemplo da arquitectura-militar portuguesa.

Marv√£o (6)

Aspecto parcial do casario branco do interior da vila de Marv√£o

Um amante da Hist√≥ria v√™ o Castelo de Marv√£o e a paisagem da Serra de S√£o Mamede como testemunha do passado das lutas fronteiri√ßas entre o Reino de Portugal e Castela (mais tarde, Reino de Espanha), sendo que a Guerra da Restaura√ß√£o (1640-1668) foi o z√©nite da import√Ęncia b√©lica desta pra√ßa-fortificada. Mais tarde, os confrontos resumiram-se a ocupa√ß√Ķes pontuais de ex√©rcitos estrangeiros, como s√£o exemplos, a Guerra de Sucess√£o Espanhola (1705-1715) e as Invas√Ķes Francesas (1807-1811).

Marv√£o (4)

Durante o Per√≠odo √Ārabe – s√©c. IX-X¬† – a vila de Marv√£o era identificada na documenta√ß√£o califal, neste caso, pelo historiador cordov√™s Isa Ibn √Āhmad ar-R√°zi,¬†como a Fortaleza de Amaia ou de Amaia-o-Monte,¬†em virtude de ter exisitido uma fortifica√ß√£o do inicio do s√©culo I.d.c. Tamb√©m a sua actual designa√ß√£o adv√©m, ainda do mesmo autor citado anteriormente, pela exist√™ncia de um muladi emeritense – descedente de uma m√£e n√£o √°rabe – chamado ‘Abd ar-Rah.ma:n Ibn Marwa:n Ibn Yu:nus al-Jill√≠:qi (Ab-derram√£o filho de Marv√£o filho de I√ļnece – i. e. Johannes-Jo√£o – o Galego), que se destacou no √ļltimo quartel do s√©c. IX como rebelde contra o poder centralizador do o Emirato Om√≠ada de C√≥rdova. Verificamos, assim, que esta fortaleza raiana sempre assumiu o papel de zelar pela fronteira e pelo territ√≥rio que a circunda, desde tempos ancestrais. N√£o h√° d√ļvidas que estamos perante uma “sentinela do reino”.

marvao-3

Para comprovar a import√Ęncia estrat√©gica desta pra√ßa da raia alentejana, deixo-vos um¬†facto hist√≥rico cabalmente documentado pelo¬†Tenente Coronel Engenheiro, Tom√°s de Vila Nova e Sequeira, atrav√©s de uma impress√£o pessoal datado de 1796: “(…) A posi√ß√£o que tem na linha da Fronteira a faz importante para a sua defesa, porque de Val√™ncia de Alc√Ęntara ou de Albuquerque para Portalegre, para o Crato, para Castelo de Vide e tamb√©m para Ribatejo, n√£o h√° outra estrada por onde se possa conduzir artilharia que a do Porto da Espada, que passa √† vista da Pra√ßa no s√≠tio a que chamam o Prado, e por ela tamb√©m √© que se pode levar artilharia contra a mesma Pra√ßa.”

marvao-7

Aspecto geral da Alcáçova do Castelo de Marvão

Nas proximidades…

marvao-14

Aspecto geral da antiga Estação de Marvão-Beirã (1880-2012)

Sabia que h√° um segredo bem guardado, perto da Vila de Marv√£o? √Č o¬†TRAIN STOP GUESTHOUSE¬†.¬†Se gosta de cultura ferrovi√°ria, recomendo este fabuloso espa√ßo para pernoitar a poucos quil√≥metros da vila de Marv√£o.¬†Deixe-se capturar pela hist√≥ria e beleza da antiga esta√ß√£o de comboios de Marv√£o-Beir√£. Garantimos que s√≥ se vai perder de encantos, pela Hist√≥ria do Ramal de C√°ceres, pela arquitectura industrial e pelos famosos azulejos (de Jorge Cola√ßo) desta esta√ß√£o fronteiri√ßa desactivada, que deu lugar a um projecto de alojamento local. √Č, seguramente, uma viagem pela Hist√≥ria e pela arte portuguesa.

Bairro da Fronteira do Porto Roque [Marv√£o] (4)

Antigo Posto-Fronteiriço de Marvão

Na fronteira de Galegos, porta de entrada para quem vem do Reino de Espanha, existiu um importante pólo residencial do concelho de Marvão: o bairro de Porto Roque. Inaugurado em 1972,  era constituído por 20 fogos e 16 edifícios com uma área coberta de 3450m2, em 20 hectares de terreno. Com a abolição das fronteiras, em 1993, e com a introdução do espaço Schengen foram desactivados os serviços da Guarda Fiscal que funcionavam na fronteira de Galegos, tendo sido todo o património edificado entregue ao tempo, com poucas casas ocupadas e edifícios em avançado estado de degradação.

Panorama FronteiraPortoRoque

Aspecto Geral do Bairro de Porto Roque (Marv√£o)

Ao desfrutar a estrada que nos conduz desde o antigo posto-fronteiri√ßo de Porto Roque¬†at√© ao topo da Vila de Marv√£o, ficamos com a sensa√ß√£o de tranquilidade, apesar do cansa√ßo da condu√ß√£o no asfalto. Transporta a fronteira, a paisagem perde a sua monotomia e ganha outro sentido para o nosso olhar. Todavia, ganhamos outro √Ęnimo quando nos deparamos com as muralhas b√©licas, as ruas e vielas desta vila fortificada do Alto Alentejo. E sem guias turisticos, entramos numa viagem pelo tempo,atrav√©s de antigas ¬†muralhas medievais e baluartes em estilo vauban que nos alimentam a alma de viajante e olhar de fot√≥grafo andarilho. J√° tinha saudades de sentir a genuidade do povo do interior de Portugal. Nada como¬†ouvir um Bom Dia ou uma Boa Tarde de um habitante local a um forasteiro que visita a sua aldeia / vila raiana Alentejana. At√© parece mal educado n√£o falar. Porque o Homem quando viaja, adapta-se ao meio.¬†O que fica na minha mem√≥ria? Os sentidos, a gastronomia, a arquitectura,o anfiteatro natural, a hist√≥ria, entre outras coisas mais. A experi√™ncia, essa, fica para n√≥s.

Bairro da Fronteira do Porto Roque [Marv√£o] (3)

Viaje,mas devagar. Aventure-se Além do Tejo! E descubra-se.

Como chegar

A partir de Lisboa opte pela A12, via Ponte Vasco da Gama, e depois pela A6 at√© √Čvora (Elvas/Badajoz). Saia em √Čvoramonte. Siga na dire√ß√£o de Estremoz (N18). Se j√° se encontra na cidade de Estremoz (IP2) tome a dire√ß√£o de Portalegre/Castelo Branco. A partir da vila de Marv√£o opte pela N246 at√© Castelo de Vide. Ou pela¬†N359 (Beir√£/Marv√£o).

Coordenadas geogr√°ficas de Marv√£o, Latitude: 39.3936, Longitude: -7.37365

C√Ęmara Municipal de Marv√£o @ Cr√©ditos Fotogr√°ficos

Onde Comer

As migas do restaurante Sabores de Marv√£o, na aldeia da Beir√£-Marv√£o, contam-se entre os petiscos e sugest√Ķes durante uma visita ao Alto Alentejo ‚Äď uma regi√£o que n√£o nos convence apenas pela paisagem,mas tamb√©m pelo paladar. √Ȭ†uma excelente op√ß√£o para degustar¬†e petiscar a gastronomia da regi√£o do Alto Alentejo. A meu ver, com uma boa rela√ß√£o de pre√ßo/qualidade.

Restaurante ‚ÄúSabores de Marv√£o‚ÄĚ

Rua 16 de Julho, N¬ļ 46
7330-012 Beir√£
Telf: 245 992 710

Onde ficar

logo

Estação ferroviária de Beirã/Marvão
Largo da Alf√Ęndega,
7330-012 Beir√£

Gest√£o e Reservas :
+351 963 340 221
Comunicação e Marketing :
+351 963 237 402
Email:
info@trainspot.pt

Para mais informa√ß√Ķes:

Roteiro pelos Castelos do Alto Alentejo

Turismo do Alentejo

Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos

Municipio de Marv√£o

Posto de Turismo de Marv√£o

Direção Regional de Cultura do Alentejo

Train Spot (Guest House)

Nota importante

As presentes informa√ß√Ķes n√£o t√™m natureza vinculativa, funcionam apenas como indica√ß√Ķes, dicas e conselhos, e s√£o suscept√≠veis de altera√ß√£o a qualquer momento. O Blogue OLIRAF n√£o¬†poder√° ser responsabilizado pelos danos ou preju√≠zos em pessoas e/ou bens da√≠ advenientes. Se quiser¬†partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poder√° faz√™-lo desde que mencionei os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03

Texto: Rafael Oliveira  | Fotografia: Oliraf Fotografia

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

Fotografia‚ÄĘViagens‚ÄĘPortugal ¬© OLIRAF (2016)

Contact: oliraf89@gmail.com

An√ļncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Est√° a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sess√£o / Alterar )

Imagem do Twitter

Est√° a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sess√£o / Alterar )

Facebook photo

Est√° a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sess√£o / Alterar )

Google+ photo

Est√° a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sess√£o / Alterar )

Connecting to %s