Cidades [City Breaks], Fotografia, História, Património Edificado & Monumental, Roteiros Fotográficos, Roteiros por Lisboa, Turismo Cultural, Viagens

📌Palácio dos Marqueses de Fronteira: um belo exemplar da arquitectura residencial barroca do Século XVII…

fuji-x-t10-29

Férias em Lisboa? Há sempre um motivo fotográfico para descobrir no “caos” e na rotina da urbe lisboeta. Visitar este Palácio é reavivar a História e a Arte em Portugal a cada passo que damos neste exemplar arquitectónico. Para além da sua arquitectura que nos fascina, nada como aventurar-nos num jardim que nos guia pelas belezas e mistérios de Fronteira.

Um oásis no caos urbano de Lisboa…

Situado em São Domingos de Benfica, próximo da Mata Florestal do Monsanto, o Palácio dos Marqueses de Fronteira é um dos belos exemplares da arquitectura residencial barroca portuguesa da 2ªMetade do Século XVII. Mandado construir pelo 1ºMarquês de Fronteira , D. João Mascarenhas, foi inaugurado por volta de 1675 como pavilhão de caça e casa de veraneio desta família nobiliárquica, uma das mais importantes do Reino de Portugal à época. É Herdeiro de uma histórica com cerca de três séculos.
Utilizado como local de veraneio e, durante alguns períodos, como residência principal da família Mascarenhas, o Palácio Fronteira acolheu sucessivas gerações de nobres, reis e rainhas, sobreviveu ao Terramoto e hospedou visitantes e viajantes de várias partes do Mundo, entre os quais o Grão-Duque da Toscânia em 1683.

fuji-x-t10-46

Depois do Terramoto de 1755 foi escolhido como residência “oficial” dos Marqueses de Fronteira, após a destruição da casa no Chiado. Em tempos, a distância entre este palácio e o centro de Lisboa ficavam a 3 horas de cavalo! Quem diria? Com a construção da Ala do Século XVIII, o palácio foi ganhando, assim, uma nova centralidade na vida quotidiana desta família nobre portuguesa. Esta família é um bom exemplo da nobreza de Guerra, que pelas excelentes campanhas bélicas ao serviço de El Rei durante a Guerra da Restauração (e desde a Expansão Ultramarina) foi subindo na hierarquia nobiliárquica por mérito.

fuji-x-t10-34

Sabia que…

A “petit histoire” não nos deixa de surpreender. Durante a Viagem de Cosme III de Médicis em Portugal no ano de 1669, o próprio visitou e descreve o palácio em construção no seu diário de viagem. Um pormenor fantástico. Mais do que um relato de uma viagem, este diário é uma espécie de visita guiada ao Portugal de Seiscentos, através das contingências da viagem realizada nesses meses de Janeiro a Março de 1669 em que a comitiva de Cosme III de Médicis (1642-1723) esteve em terra portuguesa.

fuji-x-t10-49

Durante a visita ao jardim, percorra as diversas fontes e suba a escadaria monumental em direção à ala dos Reis de Portugal, onde se deparará com inúmeros bustos em homenagem à realeza portuguesa, desde Afonso Henriques até D.Pedro II.

A razão da sua construção…

fuji-x-t10-52

Em virtude das más condições em que se vivia na cidade de Lisboa (falta de aposta da realeza na monumentalidade, suja e ruas tortuosas), os mais abastados, isto é, a nobreza construíam faustosas residências nos arredores onde passavam uma boa parte do ano, neste caso, o Verão. Na verdade, as estruturas económicas e mentais pouco tinha evoluído. Reflexo deste status quo são as próprias estruturas arquitectónicas da cidade de Lisboa que permanecem estáticas desde o séc. XVI, sendo apenas dinamizadas pela decoração: a arte azulejar e a talha dourada. De salientar que à época, a capital do Reino era o maior aglomerado urbano da Península Ibérica, só suplantada séculos mais tarde pela cidade de Madrid.

fuji-x-t10-39
Com a recuperação da independência nacional em 1640 e até ao reinado de D.João V, o Reino de Portugal atravessa uma fase de grande austeridade imposta por diversas condicionantes politicas,sociais e económicas. Ao contrário da nobreza do seu tempo, inculta,pobre e conservadora, os Mascarenhas eram uma família culta e aberta a novas mentalidades, entendendo as novas realidades culturais e arquitectónicas europeias do seu tempo. Ainda hoje, podemos jogar torneios de brigde neste palácio, graças ao mecenato cultural do 12.º marquês de Fronteira, D.Fernando Mascarenhas, e continuado pelos seus familiares mais próximos.

fuji-x-t10-44

O Palácio e os Jardins dos Marqueses de Fronteira são um belo exemplo vivo da arte azulejar em estilo barroco e da aplicação genuína desta forma artística, ao gosto dos nobres que ai viveram. Aqui, poderemos conhecer uma parte da história e da evolução técnica e artística da arte azulejar na época barroca. Depare-se com os Azulejos. De facto, durante esta visita não foi difícil dar por eles. Os azulejos, de origem árabe Al-zuleique, foram introduzidos, em Portugal e Espanha, durante a Idade Média pelos Muçulmanos. Eram usados para decorar chão e paredes das habitações muçulmanas. A partir do século XV, os Azulejos ganharam um lugar de destaque na arquitectura residencial e palaciana portuguesa, ao contrário de muitos países do continente europeu.

fuji-x-t10-51

Mantendo seu protagonismo no desenrolar da história, o Palácio Fronteira é, sem dúvida, um Palácio com História. Pedras com História. Percorrer o seu jardim e o interior do Palácio, é (re) viver os maiores feitos da História de Portugal e da Expansão Ultramarina, para além do contacto com a magnifica arte azulejar portuguesa. A meu ver, o Palácio Fronteira continua a contar na sua arquitectura exterior e interior, a História de Portugal. Um Palácio que enriquece a cidade de Lisboa e que acrescenta algo à cultura portuguesa. Como pode verificar pelos registos fotográficos, motivos não faltam para visitar este belo exemplar do património histórico-cultural!

Dicas e Informações

Como chegar:

Carreira 778 da Carris (Estação Sete Rios – Serviço Diurno)

Horário  das Visitas:

O interior do Palácio só é visitável de manhã. Todas as visitas ao interior do Palácio são guiadas, uma vez que uma parte do mesmo ainda é habitado. Já a visita os Jardins, é possível visitar de manhã e de tarde. Importa referir que não se efectuam visitas aos Domingos e Feriados.

Palácio:

Junho a Setembro:  2ª a Sábado às 10h30; às 11h00; às 11h30 e às 12h00.

Outubro a Maio:  2ª a Sábado às 11h00 e às 12h00.
Jardins: 

Junho a Setembro: 2ª a 6ª entre às 10h30 e as 13h00 e entre as 14h00 e às 17h00 e aos Sábados entre as 10h30  e as 13h00.

Outubro a Maio: 2ª a 6ª entre as 11h00 e as 13h00 e entre as 14h00 e as 17h00 e aos Sábados entre as 11h00 e as 13h00.

Custo  das Visitas (€):

Quanto às visitas, a entrada para o pacote Palácio+Jardim custa nove euros e o acesso apenas ao jardim custa três. Na minha opinião, um preço demasiado caro. Mas, trata-se de uma propriedade privada que necessita de fundos para a manutenção dos jardins e do Palácio.

Links:

Página Oficial da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna

Página Oficial Facebook da Casa Fronteira.Alorna 

Página Oficial do Palácio Fronteira

Associação dos Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna

SIPA | Monumentos – Palácio dos Marqueses de Fronteira

Património Cultural (DGPC) – Palácio, jardins, horta e mata dos dos marqueses de Fronteira

Nota importante [👤]

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03💻  Texto: Rafael Oliveira 🌎 Fotografia: Oliraf Fotografia 📷

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

Fotografia✈︎Viagens✈︎Portugal © OLIRAF (2016)

📩 Contact: oliraf89@gmail.com 

Anúncios
Standard