Fotografia, História, Património Edificado & Monumental, Regimento de Artilharia de Costa (RAC), Roteiros Fotográficos, Roteiros por Lisboa, Ruinas, Turismo Militar

ūüďĆUma aventura “ruinosa” pelo Forte de Alpena…

Esta reportagem fotogr√°fica, que agora publicamos no blog OLIRAF sobre a Bataria de Alpena (Trafaria), uma ¬†antiga unidade militar do Ex√©rcito Portugu√™s, que se encontra em ru√≠nas. √Č um exemplo do estado a que chegou muito do patrim√≥nio militar do antigo Regimento de Artilharia de Costa (RAC). Refere-se a uma √©poca muito interessante da nossa hist√≥ria militar contempor√Ęnea, diga-se, pouco falada e estudada. Este artigo sobre uma bateria de artilharia de costa √© uma das muitas est√≥rias que esta √©poca ainda tem para contar.

BateriaAlpena1893 (3)

Como sabem, neste blog temos prestado alguma aten√ß√£o a quest√Ķes relativas ao extinto Regimento de Artilharia de Costa RAC), seja ao n√≠vel das considera√ß√Ķes hist√≥rico-militares, patrimoniais ou fotogr√°ficas.¬†N√£o pretendemos apenas focar as nossas aten√ß√Ķes em patrim√≥nio comum, tais como, mosteiros, castelos, pal√°cios, casas nobres, entre outras. H√° tamb√©m outras¬†constru√ß√Ķes e outros tipos de “monumentos” que igualmente merecem a nossa aten√ß√£o, como s√£o o caso das constru√ß√Ķes militares do ex-RAC.

Procuramos, atrav√©s deste Projecto documental-fotogr√°fico, desta forma denunciar e catalogar algumas constru√ß√Ķes b√©licas, que testemunham a falta de aten√ß√£o de que o patrim√≥nio arquitect√≥nico tem sido alvo ao longo de v√°rias gera√ß√Ķes e, no caso particular, do extinto Regimento de Artilharia de Costa (RAC).

IMG_20160123_140639Deixo-vos um conjunto de imagens que¬†¬†foram capturadas no passado m√™s de Janeiro durante uma incurs√£o pela “outra margem” do Tejo, nomeadamente √† localidade da Trafaria, no concelho de Almada. ¬†O local visitado √© o antigo forte de Alpena. Como o nome indica, est√° localizado nas proximidades da arriba f√≥ssil da Costa da Caparica e da Trafaria. Deparamo-nos com uma excelente, e estrat√©gica, vista para a foz do estu√°rio do rio Tejo.
Apanhei o ferry-boat da Transtejo – Eborense – que faz a liga√ß√£o entre o cais fluvial de Bel√©m, Porto Brand√£o e a Trafaria. √Č um passeio agrad√°vel e podemos visualizar a paisagem ribeirinha de Lisboa. Recomendo.

Fui acompanhado de um amigo. Em virtude de ser um local de dif√≠cil acesso e remoto, a cerca de 1 km do centro da Trafaria, aconselha-se a levar algu√©m. Neste caso, fui acompanhado por amigo que me acompanham nas minhas aventuras fotogr√°ficas. ¬†mas um pouco remoto. O pr√≥prio captou-me ¬†em alguns momentos desta “epopeia” ruinosa.

O local √© muito frequentado aos S√°bados e Domingos pelos amantes da modalidade de paintball. Como tal, aconselhamos a ir relativamente cedo para visualizar nas “calmas” este patrim√≥nio sem a necessidade de se tornar um “alvo a abater”.

Forte de Alpena: breve resenha hist√≥rico-militar…

RAC - Forte Alpena0005

O Forte ou bataria de Alpena, pelo que pude obter em fontes documentais e electr√≥nicas, foi uma estrutura¬†militar¬†constru√≠da¬†nos finais do S√©culo XIX (1893) e integrava o sistema de fortifica√ß√Ķes do¬†Campo Entrincheirado¬†de Lisboa, nomeadamente, os redutos da Raposeira Grande e Raposeira Pequena. Ficou operacional em 1901-1902. Situa-se, a menos de 1 km do Monte da Raposeira (Trafaria,Almada), nas proximidades de uma outra unidade militar: a 5¬™Bataria da Raposeira. Ambas foram integradas na frente mar√≠tima de Defesa de Lisboa.¬†A guarni√ß√£o destas unidades militares alojava-se numa outra edifica√ß√£o – o quartel da Trafaria, inaugurada em 1905, pelo monarca D. Carlos (1889-1908).

BateriaAlpena1893

Ao longo da 1¬™Metade do S√©culo XX, incluindo na 1¬™Guerra Mundial, estas estruturas foram apetrechadas com artilharia de maior calibre usado na √©poca como,por exemplo, canh√Ķes Krupp de 28 cm, para uma eficaz¬†defesa do Campo Entrincheirado de Lisboa e,como j√° vimos, da frente maritima da Costa da Caparica e do estu√°rio do Tejo. Em caso de conflito, era umas das fortifica√ß√Ķes¬†que estava na primeira linha de fogo contra alvos anf√≠bios e a√©reos.

BateriaAlpena1893 (13)
No ano de 1940, o Governo Portugu√™s, atrav√©s do Comando da Artilharia da Defesa Antia√©rea de Lisboa, encara com car√°cter de urg√™ncia o estudo da defesa antia√©rea de Lisboa. Em caso de necessidade¬†numa 3¬™ fase, as Baterias AA seriam instaladas para defesa das posi√ß√Ķes de Artilharia de Costa, como era o caso desta fortifica√ß√£o.
Contava com 12 “ninhos” de artilharia onde podiam ser instaladas¬†baterias de costa ou antia√©reas para uma completa defesa da zona costeira e da cidade de Lisboa.
Com o final da 2ªGuerra Mundial, em virtude do Plano Barron, perdeu a sua função militar, sendo a sua artilharia desmantelada e tornou-se um sistema de paióis anexos à 5ª Bateria da Raposeira RAC e pertencia ao , Em 1961 foram efectuadas obras de construção de novos paióis pela DSFOM. Actualmente, com a desactivação do RAC, este complexo bélico foi abandonado pelo Exército e deixado entregue ao vandalismo.
BateriaAlpena1893PaisagemExteriorFozdoRioTejo
Estas estruturas militares têm uma posição geográfica e paisagística que podiam ser valorizadas, por exemplo, para algo ligo ao turismo militar.

Ao percorrermos estas estruturas fortificadas podemos visualizar uma excelente perspectiva sobre a Arriba F√≥sil da Costa da Caparica, das praias, do Forte do B√ļgio, da foz do Rio Tejo, da Serra de Sintra e da costa sul de Lisboa. ¬†Vale a pena ir.

BateriaAlpena1893 (15)

Aspecto de uma guarita de observação

 

De acordo com a concepção de defesa de costa abordada, a bateria de Alpena surge como resultado de uma necessidade urgente da guerra internacional, cujos reflexos se fizeram sentir também em Portugal. A sua missão principal era a da defesa da capital portuguesa e da frente marítima do estuário do Tejo, especificamente do  porto  de Lisboa. Deveria actuar contra unidades navais.

BateriaAlpena1893 (2)

Port√£o de Armas Norte do Forte de Alpena

 

BateriaAlpena1893 (9)

Em termos de instala√ß√Ķes, o complexo militar era constitu√≠do por uma Porta d‚Äô Armas, a norte e a sul por um Port√£o de Viaturas, v√°rios edif√≠cios subterr√Ęneos, todos eles interligados por um sistema de corredores, t√ļneis e guaritas de vigil√Ęncia. Era uma esp√©cie de linha maginot em miniatura.

BateriaAlpena1893 (10)

O Tempo √© algo que n√£o volta atr√°s…

Em Portugal temos in√ļmeros locais¬†esquecidos pelo Homem/Estado. Entregues ao tempo…que n√£o volta para tr√°s. Ao percorrer estas ruinas, sinto-me uma esp√©cie de intermedi√°rio entre os artilheiros que fizeram uma parte da sua vida neste complexo militar. Infelizmente, o nosso pais, ao contr√°rio de ¬ęNuestros Hermanos¬Ľ, n√£o sabe preservar o seu patrim√≥nio, neste caso, o militar.

BateriaAlpena1893 (11)

A Artilharia de Costa (RAC) tem raz√Ķes para ter esperan√ßas renovadas no que toca ¬†√† preserva√ß√£o hist√≥rico-militar, em Portugal. Recentemente, nos finais do ano de 2015,nasceu a Associa√ß√£o dos Amigos da Artilharia de Costa que vivamente saudamos e, quem sabe, no futuro possamos vir ¬†colaborar no trabalho que se prop√Ķem a desenvolver.

BateriaAlpena1893 (4)

Ao longo do ano de 2016, irei realizar mais uma “epopeia” pelas¬†ru√≠nas¬†da 5¬™Bataria¬†da Raposeira (Trafaria)¬†e da 6¬™bataria da Raposa (Fonte da Telha),ambas do Grupo Sul do RAC, onde irei captar o interior dos espa√ßos subterr√Ęneos que fazem deste local, um patrim√≥nio √≠mpar que deveria, e merecia, ser preservado e posto ao servi√ßo da popula√ß√£o local.

BateriaAlpena1893 (6)

Nota importante
As presentes informa√ß√Ķes n√£o t√™m natureza vinculativa, funcionam apenas como curiosidades hist√≥ricas, indica√ß√Ķes e conselhos, e s√£o suscept√≠veis de altera√ß√£o a qualquer momento, caso seja encontrada, pelo leitor, alguma incoer√™ncia sobre o tema em an√°lise. Nem o autor do BLOG, nem os intervenientes neste artigo, poder√£o ser responsabilizados pelos danos ou preju√≠zos em pessoas e/ou bens da√≠ advenientes.

FONTES & BIBLIOGRAFIA

EMERECIANO, Jaime ‚Äď A Artilharia na Defesa de Costa em Portugal. Lisboa: Academia Militar, Disserta√ß√£o Mestrado em Ci√™ncias Militares, especialidade de Artilharia, 2011

Disponível na internet URL:http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/7247

Bateria do Out√£o e Forte Velho do Out√£o ‚ÄstSIPA: Sistema Informa√ß√£o para o Patrim√≥nio Arquitect√≥nico. [Em linha]. [Consultado em 30 Dez. 2014]. Dispon√≠vel na¬† internet URL: <http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=25039

MACHADO, M. (22 de Dezembro de 2008). Os √öltimos Disparos do “Muro do Atl√Ęntico” Portugu√™s. Obtido em Fevereiro de 2011, de http://www.operacional.pt: http://www.operacional.pt/os-ultimos-disparos-do-%E2%80%9Cmuro-doatlantico%E2%80%9D-portugues/

MASCARENHAS, Catarina de Oliveira Tavares РDa defesa à contemplação da paisagem : intervir no lugar do Forte e da 7ª Bateria do Outão no contexto da Arrábida. РLisboa : FA, 2014. Tese de Mestrado.

COSTA, Ant√≥nio Jos√© Pereira da – A cidadela de Cascais e a Defesa da Costa Mar√≠tima do Guincho ao Estoril. In: “Boletim do AHM”, Lisboa, vol. 63 (1998 – 1999), pgs. 37 – 98.

Ler mais em:

http://ruinarte.blogspot.pt/2009/11/as-baterias-de-alpena-trafaria.html

Arquivo Histórico MIlitar РForte de Alpena

Nota importante [ūüϧ]

As presentes informa√ß√Ķes n√£o t√™m natureza vinculativa, funcionam apenas como indica√ß√Ķes, dicas e conselhos, e s√£o suscept√≠veis de altera√ß√£o a qualquer momento. O Blogue OLIRAF n√£o¬†poder√° ser responsabilizado pelos danos ou preju√≠zos em pessoas e/ou bens da√≠ advenientes. Se quiser¬†partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poder√° faz√™-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03ūüíĽ¬†¬†Texto: Rafael Oliveira¬†ūüĆ鬆Fotografia: Oliraf Fotografia¬†ūüď∑

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

Fotografia‚úąÔłéViagens‚úąÔłéPortugal ¬© OLIRAF (2015)

ūü𤋮†Contact: oliraf89@gmail.com

An√ļncios
Standard

One thought on “ūüďĆUma aventura “ruinosa” pelo Forte de Alpena…

  1. Pingback: ūüďĆ√Ä descoberta da arquitectura militar da Trafaria: o Forte-Pres√≠dio da Trafaria e a 5¬™Bateria da Raposeira | OLIRAF

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Est√° a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sess√£o / Alterar )

Imagem do Twitter

Est√° a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sess√£o / Alterar )

Facebook photo

Est√° a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sess√£o / Alterar )

Google+ photo

Est√° a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sess√£o / Alterar )

Connecting to %s